Um dia na maior universidade de aviação do mundo

Camila Faria

Um dos lemas da Embry Riddle Aeronautical University, estampado em camisetas, adesivos, bonés e chaveiros espalhados pelo campus da maior universidade de aviação do mundo é “I’d Rather Be Flying”, ou, em português, “Eu preferia estar voando”. Ao visitar a estrutura do campus de Daytona Beach, Florida, e conhecer o legado e inovações da instituição, fica fácil entender o porquê.

Fundada em 1925 por John Paul Riddle e T. Higbee Embry, a ERAU é a maior instituição do mundo em termos de educação focada em aviação, com mais de 7 mil estudantes de graduação entre os dois campus dos Estados Unidos, e em torno de 20 mil alunos no programa de educação a distância disponível para o mundo todo, o WorldWide. Com planos de abrir um campus no Brasil em breve, esse número deve aumentar ainda mais.

Visitamos o campus de Daytona Beach, o maior da ERAU, que é dividido em várias faculdades: aviação, administração, engenharia, humanidades, todas voltadas para os setores aeronáutico e aeroespacial. Nossa visita foi guiada por Jeff Davis, diretor de relações exteriores da Universidade, e James Roddey, da coordenação de Comunicação. Embarque e aperte os cintos, vamos levar você para dentro da Faculdade de Aviação!

Nossa primeira parada é na “High Altitude Normobaric Lab”, uma sala projetada especificamente para treinar os futuros pilotos para uma situação de emergência específica: o momento em que o oxigênio escapa da aeronave de forma lenta e gradual, e por isso mesmo menos perceptível e mais perigoso. Nessa sala, o oxigênio é drenado lentamente, sem alterações na pressão e sem avisos, enquanto os alunos realizam tarefas cognitivas e motoras relacionadas à operação de voo. Assim, eles aprendem a reconhecer os seus sintomas nessa falta de oxigênio, para que possam perceber caso o problema ocorra durante um voo. As sessões são supervisionadas para segurança e filmadas, para que os alunos revejam e aprendam com suas reações.

Foto 1 - High Altitude Lab 1

Foto 2 - High Altitude Lab 2

Ainda nas instalações de fisiologia e segurança de voo, visitamos um laboratório que abriga o GAT-II, um simulador multifuncional utilizado para treinar, entre outras funções, situações de desorientação espacial. Também conhecida como “vertigem de piloto”, a desorientação ocorre quando, por ilusões visuais ou relacionadas ao labirinto auditivo, o piloto não consegue determinar corretamente a localização da superfície terrestre (para saber mais, confira o vídeo). Jeff explica: “Muitos dos hábitos que temos ao dirigir carros devem ser esquecidos na hora de pilotar um avião. É preciso que o piloto saiba, por exemplo, que pode estar vendo um horizonte falso e nesse momento precisa confiar no equipamento de navegação, e não em sua visão. Nesse simulador, é possível expor os alunos a situações como essa, da decolagem ao flat spin (efeito parafuso), para que ele saiba como agir e manter a segurança”.

Foto 3 - spatial-disorientation

Outra preocupação em termos de segurança é a familiaridade dos pilotos com os equipamentos e a parte técnica da aeronave. Apesar de possuir um programa específico para engenharia, a ERAU expõe seus futuros pilotos aos laboratórios, para que aprendam com profundidade sobre peças e especificidades da aeronave. “Reconhecer o equipamento, seus sons, cheiros e comportamentos quando há um problema é uma parte muito importante da formação”, aponta Jeff.

Foto 4 - turbine

Ainda na Faculdade de Aviação, fomos apresentados ao programa de meteorologia, também fundamental para a segurança da aviação. Especialmente na Florida, com histórico intenso de tornados e furacões, a previsão e acompanhamento meteorológico são realizados com rigor. A Universidade oferece um curso de graduação na área.

Foto 5 - weather-center

Visitamos, a seguir, os laboratórios de manutenção. Neles, os aproximadamente 300 alunos desse programa estudam manutenção de aeronaves, incluindo aprender a desmontar e reconstruir um motor e depois testar seu funcionamento. Desde as estruturas antigas, feitas de madeira, até os equipamentos atuais, os alunos aprendem a realizar a manutenção adequada durante a graduação. “A demanda de técnicos e mecânicos para trabalhar em aeronaves também deve crescer em grande proporção mundialmente, e é importante que esses profissionais sejam altamente qualificados.”, comenta Jeff. Em um Laboratório de Compósitos próprio, os estudantes trabalham com materiais e fabricação de peças.

Foto 6 - composites-lab-1

“E os aviões???”, você deve estar se perguntando. Fique tranquilo, a operação de voo é nossa próxima parada.

A Embry-Riddle possui em média 70 aeronaves, cuja operação é controlada em equipamentos de nova geração em controle aéreo na Universidade. A maior parte da manutenção também é realizada no ambiente universitário, e são em média 400 voos realizados por dia pelos estudantes. Entre os instrutores de voo, há alunos mais experientes que são contratados pela Faculdade para ensinar os novos futuros pilotos, o que cria um ambiente jovem e diversificado.

No programa da ERAU, também é possível fazer a graduação em Controle de Tráfego Aéreo. Nesse programa, os alunos têm acesso aos painéis de controle das aeronaves da Universidade e do aeroporto de Daytona, supervisionando o voo de outros alunos e trabalhando, através de simuladores. No laboratório, que é uma réplica de um estabelecimento de controle de voo, os estudantes praticam em 30 estações de controle aéreo.

Foto 7 - Flight-Sim-03Foto 8 - Flight-Sim-03Foto 9 - Flight-Sim-03



E por último, mas não menos importante, vamos a uma das tecnologias mais interessantes: os simuladores.

“Atualmente a tecnologia de simuladores é tão avançada que nos permite treinar um aluno para pilotar um 787 e certificar que ele está pronto para isso sem precisar colocá-lo no 787. Aqui, complementamos as horas de voo práticas com voos simulados, que totalizam cerca de 30% do treinamento dos futuros pilotos”, explica Jeff ao entrarmos no Centro de Simuladores. Os treinos de simuladores complementam a experiência no avião: em uma rotina comum, o estudante faz sua prática na aeronave e alguns dias depois vai ao simulador com seu instrutor para corrigir erros e praticar aspectos em que precisa melhorar, para depois testar as habilidades na aeronave novamente.

Chegamos ao fim do nosso dia na maior Universidade de Aviação do mundo. Para saber mais, acesse o site da ERAU: http://www.erau.edu/

EXTRA > Você pode ler mais sobre cada simulador específico aqui (em inglês).

Anúncios

Pequeno príncipe, grande aviador

Eterno líder nas listas dos livros mais vendidos, com a obra O Pequeno Príncipe, o aviador francês Antoine de Saint-Exupéry tem muito mais histórias para contar. Foi repórter, lutou na Segunda Guerra Mundial e até deu suas voltas no Brasil, olhem só! 

Freddy Charlson

18.12 3-Foto 6 blog

“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.” A frase, bem fofinha, é a mais conhecida do clássico livro O Pequeno Príncipe, eternamente na lista dos mais vendidos, em vários países do mundo – inclusive no Brasil, nesta semana –, desde o seu lançamento, no longínquo 1943. Tá, aí você se pergunta: “E qual a relação disso com o Blog Check In, voltado para notícias relacionadas à aviação?”.

Bem, o autor da obra, o francês Antoine de Saint-Exupéry era um exímio aviador. Pronto. Nascido em Lyon, em 1900, ele estudou em colégios religiosos jesuítas e maristas e logo enveredou pelo caminho da aviação. Passou nos testes quando tinha meros 21 anos, no Regimento de Aviação de Estrasburgo, onde chegou a subtenente da reserva. Também foi repórter, em Paris, capital da França. Em 1926, passou a piloto de linha, na empresa Aéropostale. E ganhou os ares de vez. Até passou pelo Brasil, entre 1928 e 1930, em alguns pousos em Florianópolis (SC), pilotando aviões do correio francês.

18.12 3-Foto 1 blog

Ao mesmo tempo, Toninho – sim, já estamos íntimos aqui, no terceiro parágrafo – escrevia. Muito. Ele escreveu, por exemplo, para revistas e jornais franceses. Eram artigos, pensamentos… e livros. A maioria dos escritos, ligados à guerra, à aviação. Foram obras como O Aviador (1926), Voo Noturno (1931) e Terra dos Homens (1939), por exemplo. Mas eis que, em 1943, o escritor, ilustrador e aviador deu ao mundo a obra O Pequeno Príncipe, que logo se tornou um clássico da literatura.

Ora, afinal, quem nunca ouviu frases como “Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos” ou “Num mundo que se faz deserto, temos sede de encontrar um amigo”? Certeza que quase ninguém…

Guerra e paz

LITTERATURE-SAINT-EXUPERY-AVIATION

Sua principal obra foi escrita durante a Segunda Guerra Mundial, quando Saint-Exupéry servia na Força Aérea dos Estados Unidos. À época, ele fazia voos de reconhecimento para os aliados. Pois bem, o tempo passou e a história tornou-se uma das mais vendidas na história da literatura. Já são mais de 150 milhões de exemplares no mundo todo, com tradução para mais de 200 línguas e dialetos. Há tempos, o livro figura no topo da lista dos mais vendidos no Brasil, por exemplo, na categoria “ficção”.

Por falar nisso, a história é simples, mas cheia de simbolismo, e tem uma mensagem otimista de amor ao próximo e ao planeta. Ela gira em torno do diálogo entre um aviador e um rapaz de cabelos de ouro e cachecol vermelho, o Pequeno Príncipe. Eles se encontram no deserto do Saara após a queda do avião do narrador. Enquanto ele tenta consertar a aeronave, ouve as histórias do menino oriundo do asteroide B 612 e que, cheio de imaginação, logo lhe pede para desenhar um carneiro. As histórias, cheias de simplicidade e bons sentimentos, provocam no piloto a necessidade de dar valor às pequenas coisas da vida. Oh, que fofo.

A trajetória do Pequeno Príncipe está aí, bem-sucedida há 72 anos. Mas a trajetória de seu criador, Antoine de Saint-Exupéry, foi abruptamente interrompida em um acidente de avião – de que outro modo ele poderia morrer? – em uma missão de reconhecimento, no dia 31 de julho de 1944. Ele partiu de uma base na Córsega e deveria recolher informações sobre os movimentos de tropas alemãs no Vale do Ródano antes da invasão aliada do sul da França.

O avião, um P-38 Lightning, porém, caiu e seu corpo nunca foi encontrado. Foi o fim de sua missão secreta para os Aliados, na Segunda Guerra. Sessenta anos depois, os destroços da aeronave foram achados a alguns quilômetros da costa de Marselha, na França. Fim da história do artista, mas não da obra. No Brasil, o livro já vendeu cerca de 5 milhões de unidades desde sua primeira edição aqui, em 1952, pelo selo Agir. Por enquanto…

18.12 3-Foto 7 blog

Obras escritas por Antoine de Saint-Exupéry
– L’Aviateur (O aviador) – 1926
– Courrier sud (Correio do Sul) – 1929
– Vol de nuit (Voo Noturno) – 1931
– Terre des hommes (Terra dos Homens) – 1939
– Pilote de guerre (Piloto de Guerra) – 1942
– Le Petit Prince (O Pequeno Príncipe) – 1943
– Lettre à un otage (Carta a um refém) – 1943/1944
– Citadelle (Cidadela) – póstuma, 1948

 

18.12 3-Foto 5 blog

10 frases de O Pequeno Príncipe
“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas.”
“O verdadeiro amor nunca se desgasta. Quanto mais se dá mais se tem.”
“Amar não é olhar um para o outro, é olhar juntos na mesma direção.”
“Só se vê bem com o coração, o essencial é invisível aos olhos.”
“O verdadeiro homem mede a sua força quando se defronta com o obstáculo.”
‘Há vitórias que exaltam, outras que corrompem; derrotas que matam, outras que despertam.”
“Num mundo que se faz deserto, temos sede de encontrar um amigo.”
“É o mesmo sol que derrete a cera e seca a argila.”
“É o espírito que conduz o mundo e não a inteligência.”
“Apenas se vê bem com o coração, pois nas horas graves os olhos ficam cegos.”

Grandes aviões, Grandes guerras

Já imaginou desenhar um avião de guerra, obedecendo fielmente aos detalhes de proporção, camuflagem, insígnias e armamento? E se o trabalho incluir, ainda, a busca por informações históricas, como o país fabricante e em qual guerra mundial ele foi utilizado? Uma empreitada para quem é mesmo apaixonado por aviação, não é mesmo? Agora imagine fazer isso com 340 aviões e transformar toda essa dedicação em um livro? Esse é o trabalho do Tomas Prieto no livro Aviões das Grandes Guerras- álbum ilustrado com mais de 340 aviões de combate da Primeira e da Segunda Guerra Mundial.

Ilustrador e diretor de arte que trabalhou por mais de 30 anos em agências de publicidade, Tomas nasceu em São Paulo, mas passou boa parte de sua infância e adolescência nas Ilhas Canárias (Espanha), onde viajar de avião se tornou uma atividade frequente. “São sete ilhas e para não enfrentar uma viagem de navio demorada e incômoda pois o mar é muito agitado, nada como ir de avião, tendo em vista que todas as ilhas possuem aeroporto desde os anos 40”, relembra.

E a primeira viagem, claro, é uma memória especial: “meu pai me levou para conhecer Las Palmas de Gran Canária. Partimos do aeroporto de Los Rodeos, em Tenerife, em um bimotor Douglas DC-3 da antiga companhia aérea Spantax para uma viagem de 35 minutos”, conta, empolgado. A partir daí, Tomas passou a voar duas vezes por ano para conhecer as outras ilhas que compõem o arquipélago e também rumo ao continente europeu.

Anos depois, já de volta ao Brasil, Tomas quis ser piloto, mas, como tantos outros aspirantes ao cargo, foi impedido pela elevada miopia. “Enveredei pelo desenho e pintura, onde me encontrei profissionalmente, mas nunca abandonei o gosto pela aviação, lendo livros e revistas sobre o tema, acompanhando inovações e desenhando”.

Confira agora os principais trechos da entrevista exclusiva do Check-in – o Blog da Aviação com esse grande artista.

Érica Abe

mock up miolo2(1)

Como você selecionou os 340 aviões que compõem o livro?
Meu critério foi pesquisar quantos dos países que participaram dos dois conflitos também foram construtores de aviões, o que possibilitou a construção de uma sequência histórica.

Depois da Primeira Guerra, com as divisões dos impérios do centro da Europa, foram criados diversos países e, em meados dos anos 20, muitos desses “novos” países passaram a ter indústrias locais, capazes de desenvolver e produzir caças e bombardeiros, como é o caso da Polônia e Tchecoslováquia, que produziam aviões tão bons quanto os britânicos, americanos, franceses, italianos e alemães.

Durante a pesquisa, surgiram outros países que durante a Segunda Guerra Mundial projetaram e produziram caças pouco conhecidos, como é o caso da Austrália com o CAC Boomerang; da Bélgica com o Renard R-31; da Romênia com os IAR 37 e IAR 80; da Finlândia com o VL Myrsky; da Hungria com o Weiss WM-21 Sólyom; e da Iugoslávia com seus Ikarus Ik-2 e Ik-3.

Procurei selecionar os caças interceptadores e de ataque ao solo, depois os bombardeiros leves, pesados e os de mergulho. E descartei aviões de treinamento e transporte, pois o número de 340 poderia dobrar e eu ainda estaria desenhando até hoje…

Com certeza a pesquisa para apurar cada modelo de aeronave demandou muito tempo. Quais foram as suas principais fontes?

Pesquisei em livros, nos sites do Imperial War Museum e American Air Museum  e em outras páginas especializadas para ter boas referências fotográficas.

mock up miolo3(1)

Uma análise mais aprofundada do livro permite perceber diversas mudanças entre os modelos ao longo do tempo. Naturalmente, a tecnologia teve grande influência nesse processo. Quais foram outros fatores que, na sua opinião, interferiram nessas alterações?
O avanço das novas tecnologias, o emprego de novos materiais, e as novas táticas de combate tiveram grande influência na construção de aviões de combate. Durante a Primeira Guerra, os aviões eram feitos de madeira, tela pintada e algumas chapas metálicas perto do motor. Com a invenção do sincronismo das metralhadoras disparando para frente através do giro das pás da hélice, a introdução do duralumínio na construção da estrutura e o desenvolvimento de motores mais potentes no final da Primeira Guerras o conceito da construção aeronáutica mudou radicalmente.

É possível definir uma característica principal as aeronaves de para cada país?
Durante a Primeira Guerra havia uma similaridade de projetos estruturais entre monoplanos, biplanos e triplanos usando motores radias em linha ou rotativos. Entre modelos da Segunda Guerra também havia uma similaridade ou quase cópia entre os diversos modelos, conforme a missão na qual fossem empregados. Por exemplo: a Força Aérea Italiana tinham uma tendência para usar motores a pistão em seus caças, assim como os caças britânicos. E os alemães também usavam o motor a pistão, como no caso do seu caça mais fabricado, o Messerschmitt ME 109 com mais de 33 mil unidades produzidas.

Já os caças japoneses, em sua grande maioria, usavam motores radiais, o que também era uma tendência entre os americanos. Mas, em princípio, o design das asas e potência de motores deram uma vantagem em performance aos caças Mitsubichi A6M Zeros japoneses contra americanos, que eram mais lentos e menos manobráveis. No entanto, depois de 1943, esse quadro começou a mudar com a introdução de caças como o F4F Wildcat, Grumman F6F Hellcat e F4 Corsair. A diferença estava nos motores mais potentes com compressores melhores que lhes permitia voar mais rápido e mais alto. A falta de compressores eficientes nos caças japoneses limitava a defesa do seu território contra os bombardeiros B-29, capazes de voar a grandes altitudes o que acarretou na destruição do parque industrial japonês.

mock up miolo3

Do 14-Bis ao Quasar, dez aviões brasileiros com nomes bacanas

O Blog Check In homenageia a indústria aeronáutica brasileira, uma das maiores do mundo em número de criações e faturamento, criando uma lista com 10 aviões curiosos. Tem desde a criação de Alberto Santos Dumont até o moderno Legacy

Freddy Charlson

14-Bis, o pioneiro – Ah, o 14-Bis. Pois é, bem simples, a criação do inventor brasileiro Alberto Santos Dumont era tipo uma mistura de aeroplano com o balão 14 (o ferinha curtia numerar suas criações), usado pelo inventor em outros voos. Daí, o “bis”, sacaram? Foi com ele que, em 13 de setembro de 1906, o 14-Bis, sem balão, com mais potência e chamado de Oiseau de Proie, voou 8 metros. E isso num momento da história da humanidade em que era difícil definir o que seria um “voo de avião”, lembrem-se. A polêmica ganhava o mundo. Afinal, difícil acreditar que algo mais pesado do que o ar pudesse… voar. Pois é, voou.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 1 - 14BIS

Ah, é o meu Guri! – O AMT-600 Guri foi desenvolvido pela Aeromot, fabricante do Rio Grande do Sul, para treinamento e instrução primária de pilotagem. O pequenino tem dois lugares (lado a lado) na cabine e trem de pouso fixo e triciclo. Cabem 90 litros de combustível no tanque, o que dá para voar 4h30. O gurizinho mede 8,20m, tem envergadura de 10,50m. Ah, e a altura é de meros 2,51m. O aviãozinho, fabricado desde 1985, tem pouca potência – e é aconselhável usar bem os freios para controlar a corrida na decolagem. E, por fim, o Guri é uma opção frente aos helicópteros e ainda tem maior autonomia de voo.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 2 - GURI

Anequim, teu sorriso é um olhar de marfim – A brincadeira do título é uma alusão ao clássico Manequim, cantado pelo extinta boyband brasileira Dominó. Bem, voltando ao Anequim… trata-se de um avião que voa até 521,08 km/h. Ele foi desenvolvido Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), no caso o Centro de Estudos Aeronáuticos do Departamento de Engenharia Mecânica. Com nome inspirado numa espécie de tubarão veloz e agressiva, o avião de meia tonelada de peso bateu cinco recordes mundiais de velocidade, em sua categoria. Feito de fibra de carbono, o Anequim tem um motor de 4 cilindros e é incapaz de ferir alguém. Quando bem pilotado, claro.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 3 - ANEQUIM

Xingu, o avião índio – E eis que o bimotor monoplano de uso civil e militar – que chique! – Embraer EMB-121 Xingu foi o primeiro turboélice pressurizado brasileiro. O avião, produzido entre 1976 e 1987 – foram 106 unidades, tinha espaço para até 3 tripulantes e 9 passageiros. Tudo em um comprimento de 12,3m e peso de 5,6 toneladas. Com esses números, ele chegava a uma velocidade de 450 km/h e a uma altura de 8,5 km. A base do Xingu foi o projeto de asa do Bandeirante, um turboélice bimotor para transporte de passageiros. O avião foi o primeiro de uma linhagem de turboélices pressurizados para uso executivo, militar e transporte de passageiros. E até chegar ao EMB-120 Brasília, com 350 unidades circulando no planeta. Rolou até uma outra versão, mais silenciosa, chamada EMB-121A1 Xingu II, em 4 de setembro de 1981.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 4 - XINGU

Tucano, uma aeronave nariguda – O primeiro voo do Embraer EMB-312 Tucano, turbohélice de treinamento e ataque leve, fabricado pela Embraer, ocorreu em 1980, mas as primeiras unidades foram entregues somente em 1983. Os primeiros a voarem com ela foram os militares do treinamento avançado na Academia da Força Aérea Brasileira (FAB), em Pirassununga (SP). A FAB encomendou 133 unidades do avião. No total, a produção da aeronave que serviu ao Esquadrão de Demonstração Aérea da Força Aérea Brasileira, a Esquadrilha da Fumaça, de 1983 a 2013, ultrapassou 600 unidades. O Tucano atingia 448 km/h a uma altura de 9.144m. Bacana, né? E media 9,86m. Por fim, podia carregar até 3 toneladas.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 5 - TUCANO

Legacy, um avião duro na queda – O que você lembra ao ouvir a palavra Legacy? Pois é, à memória vem a lembrança de um acidente com um Boeing 737-800 da GOL que matou 154 pessoas, em 29 de setembro de 2006. A batida em pleno voo levou o então presidente Lula a decretar luto oficial de três dias, após o, até então, maior acidente da história da aviação brasileira. Bem, o primeiro voo do Legacy 600, produzido pela Embraer, ocorreu em 2001. O avião transporta até 15 passageiros e mede 26m. Seus principais concorrentes são o Global 5000 da Bombardier, o Falcon 2000 da Dassault e o G450 da Gulfstream. O Legacy 600 é um avião de luxo e custa cerca de 30 milhões de dólares.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 6 - LEGACY

Quero-Quero, um passarinho – Para começo de conversa, só cabe uma pessoa nos Quero-Quero KW1 que ainda voam por aí. O bichinho é um planador monoplace fabricado no Brasil entre 1975 e 1981. De origem gaúcha – foi criado por um engenheiro de Novo Hamburgo –, ele voou pela primeira vez em 18 de dezembro de 1969. Uma versão modificada foi feita pela IPE Aeronaves, para uso em instrução primária, ou seja, ele era tipo o primeiro planador monoplace à disposição dos alunos. Com comprimento de 6,47m e envergadura de 15m, o Quero-Quero, nome de passarinho curioso, tem como velocidade de melhor planeio, 76 km/h.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 7 - QUERO-QUERO

Paulistinha, paulistano – Com nomezinho simpatiquinho, o Paulistinha CAP-4, fabricado pela Companhia Aeronáutica Paulista, voou pela primeira vez em 1941. Ou seja, o bichinho tem 74 anos bem distribuídos em 6,76m de comprimento e 2,08m de altura, para meras duas pessoas. O monomotor de asa alta atingia a velocidade máxima de 220 km/h e foi um dos aviões treinadores de maior sucesso no Brasil. A FAB operou uma segunda versão do aparelho entre 1959 e 1967. O Paulistinha era feito de madeira revestida em tela e tinha fuselagem em tubos de aço, com direito a trem de pouso fixo convencional e acomodação para dois pilotos.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 8 - PAULISTINHA

Biguá, esse menino pantaneiro – Construído numa parceria envolvendo a empresa paranaense IPE Aeronaves e o Aeroclube de Novo Hamburgo, o KW2 Biguá é um planador experimental, biplace e com protótipo projetado pelo engenheiro Kuno Widmaier. Seu primeiro voo foi em 19 de dezembro de 1974. O antigo Departamento de Aviação Civil (DAC) adquiriu o projeto do Biguá com o objetivo de dotar os aeroclubes brasileiros com planadores de construção nacional. Não deu certo. O Biguá acabou perdendo a disputa para o modelo IPE Nhapecan, totalmente construído pela própria IPE. E acabou servindo para instrução primária em Novo Hamburgo. Só um protótipo foi construído. Que peninha!

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 9 - BIGUÁ

Quasar, um raio de luz – E chegamos a 2009, ano da entrada em serviço do Quasar Lite II, avião projetado e produzido pela Aeroálcool. A singela aeronave, com nome inspirado no objeto astronômico quasar (quasi-stellar radio source, ou fonte de rádio quase-estelar) foi criada para o lazer (o consumo é baixo), para o treinamento (é de fácil pilotagem) e para pequenas viagens (dá para voar até 1.500 km com um tanque). A tripulação é espartana, apenas dois pilotos, afinal o Quasar mede meros 5,50m, tem altura de 2,18m e peso de 240kg. A velocidade máxima é de 242 km/h, ou seja, infinitamente menor do que a de um quasar original. Fica a dica.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 10 - QUASAR

Sonhando (e voando) acordados

Cem crianças carentes de escolas de Planaltina (DF) e Cabeceira Grande (MG) passam momentos inesquecíveis no Aeroporto Internacional de Brasília e num A-320. Nenhum deles havia entrado antes num avião; foram instantes de alegria e emoção

Freddy Charlson

“Atenção, passageiros mirins da Escola Classe ETA 44 e da Escola Professora Hozana, por favor, preparem-se. O embarque de vocês vai começar agora!”

15.10.2015 - FOTO - BLOG CHECK IN - ANDANDO NO TERMINAL

O aviso informal – bem mais informal do que o habitual – feito ao microfone por um funcionário da TAM causou um abalo de 3.0 na Escala Richter (aquela que mede a intensidade dos terremotos) no saguão do Aeroporto Internacional Juscelino Kubistchek. Gritos, risadas, pulos de alegria, socos jogados no ar, uma festa. A festa, ali, em frente ao Portão 19, contagiou passageiros que estavam em outros portões. De perto ou de longe, eles se espantavam e riam com toda aquela euforia.

15.10.2015 - FOTO - BLOG CHECK IN - COM CART+âO DE EMBARQUE

Não era à toa. Os 80 alunos do ensino infantil à quinta série da Escola Classe ETA 44, localizada em Planaltina, viviam um sonho. O mesmo ocorria com os 18 estudantes da quarta série do Colégio Professora Hozana, em Cabeceira Grande (MG), município a 120 quilômetros da capital do país. Para muitos, era a primeira vez que viam aviões tão de pertinho. Para quase todos, era a primeira vez que visitavam o aeroporto que recebe 400 aviões e 50 mil pessoas a cada dia. Para todos, seria a primeira vez que entrariam num avião, de verdade. No caso, um A-320, da TAM, com capacidade para 174 pessoas. Sim, aqueles meninos realizaram sonhos em série…

15.10.2015 - FOTO - BLOG CHECK IN - NA ESTEIRA 15.10.2015 - FOTO - BLOG CHECK IN - ENTRANDO NO PORT+âO 15.10.2015 - FOTO - BLOG CHECK IN - CARROS DE BOMBEIRO

E tudo começou com uma conversa entre a Inframérica, administradora do terminal de Brasília, e a diretora da escola planaltinense, a simpática Denise Valadares de Carvalho. A concessionária queria dar uma alegria aos estudantes e bombar o Dia das Crianças. A diretoria queria dar um upgrade no projeto Meios de Transporte, que desenvolve na escola. Conversa daqui, conversa de lá, busca de parceiros ali, produção acolá. E, pronto! O projeto Passeio no Aeroporto saiu do papel e ganhou asas no aeroporto brasiliense.

Voo em solo
Asas mesmo. Os meninos praticamente voavam pelo terminal na tarde dessa quarta-feira (14/10). Chegaram em quatro ônibus escolares, ganharam camisetas, receberam uma espécie de “cartão de embarque”, passaram pelo raio-x, esperaram a chamada no Portão 19, pegaram um ônibus do aeroporto e, tchan, tchan, tchan, tchan!, entraram no avião da TAM. Ali, nove funcionários – dois pilotos e sete comissários – da empresa, baseados em Brasília, fizeram serviço de voluntariado para mostrar um pouco de sua rotina aos pequenos.

15.10.2015 - FOTO - BLOG CHECK IN - NO P+üTIO

Entre demonstrações do uso correto do cinto de segurança e da poltrona e das luzes, os comissários, além de servirem água e refrigerante, divertiram as crianças. Por “divertir”, entenda-se, brincar, fazer piadas e até dançar, como fez Douglas Lupo, chamado de “Comissário Louco”. Com uma máscara de oxigênio no rosto, ele atravessou o corredor do avião repetidas vezes, dançando “Macarena”. A criançada sorriu até. E só lamentou que a comissária Myrelle Furlan não tenha feito o mesmo, apesar dos repetidos pedidos delas e da tripulação.

“Está tudo tão legal aqui. Estou adorando o passeio, afinal é a primeira vez que eu entro em um avião”, contava a animada Júlia Santos de Sá, 11 anos, aluna da ETA 44 e moradora do Núcleo Rural Sarandi, na região de Planaltina. Júlia sentou numa poltrona na parte de trás do avião, a 30B, e, de lá, observava a tudo, bastante interessada. “Quero ser médica ou veterinária. Adoro cuidar das pessoas e dos animais. E preciso trabalhar para viajar muito”, disse. “Viajar de quê, Júlia?”, perguntou a reportagem do Blog Check In. “De avião, claro. Sonho em conhecer a Europa”, confessou, entre um e outro gole de refrigerante, a filha da babá Alenuzia, e de um funcionário da Embrapa, seu Ronaldo. Boa menina.

Também bom menino, mais um milhão de vezes mais agitado que Júlia, era o pequeno Moisés Pereira Dantas, 7 anos. Ele pulava de cadeira em cadeira, fazia perguntas, pedia refrigerante… “Tô gostando, adorei entrar no avião, tomei refrigerante, li as revistas e achei tudo legal, isso aqui é muito grande”, disparava, a torto e a direito. Também morador do Núcleo Rural Sarandi, o aluno de primeiro ano aproveitou para dizer que quer viajar para Goiânia. “Fazer o quê lá, menino”, perguntou a reportagem do Blog. “Visitar meu amigo que mudou para lá, o Vladimir”, explicou o aluno da paciente professora Ana Lúcia. Uma graça, o Moisés.

Salvando vidas

E, assim, se passou a tarde. Os estudantes saíram do avião e conheceram a Seção de Combate a Incêndio, conversaram com os bombeiros de aeródromo, assistiram uma palestra sobre o trabalho deles e sobre a preservação do lixo, conheceram os equipamentos dos 64 bombeiros que atuam no Aeroporto Internacional Juscelino Kubistchek, viram os cinco carros disponíveis no Terminal, se empolgaram com as aves de rapina, gaviões e falcão, que protegem o ar e a terra em torno das duas pistas do terminal e terminaram o dia com um delicioso lanche oferecido por uma rede de fast food que tem loja no aeroporto.

15.10.2015 - FOTO - BLOG CHECK IN - AVES DE RAPINA 15.10.2015 - FOTO - BLOG CHECK IN - BOMBEIROS DE AER+ôDROMO

O lanche – acompanhado de uma sacola com brinquedo, gibi, lápis de cor e folhas para colorir – foi, digamos, a cereja do bolo de uma tarde tão especial. Ao final da aventura, os pequenos estudantes estavam realizados, ainda eufóricos em realizar o sonho de se tornarem passageiros por um dia em um dos maiores aeroportos do país. Muitas, ali, naquelas idas e vindas – até o passeio na esteira foi digno de festa – tiveram, despertada a paixão pela aviação.

Paixão, aliás, que já faz parte do dia a dia de Raniel Humberto Rocha Coelho, 10 anos. Aluno da Escola Professora Hozana, em Cabeceira Grande (MG), ele sonha, um dia, em pilotar um avião. Quer voar alto, conhecer outras cidades que não a sua, que tem meros sete mil habitantes, e viajar muito. “Desde criança eu gosto de avião e até já voei num, mas como passageiro”, brincou o menino. É que o pai, conta, trabalha numa fazenda chamada Santa Matilde, no município.

E, certa feita, Raniel voou num “pulverizador”. “Pul… o quê”, pergunta a reportagem. “Pulverizador”, fala rápido, com o característico sotaque de qualquer mineirinho. “Um avião que voa baixo e joga água, sementes e veneno no solo”, explica. “E esse menino, Raniel, teve medo?”, questiona, novamente, o repórter. “Medo, não. Mas senti um friozinho na barriga, não vou negar, né?”.

Friozinho na barriga, tipo o que ocorreu no passeio, quando Raniel entrou no A-320 da TAM, avião bem maior e bem mais moderno que o pulverizador que voa baixo e que joga água, sementes e veneno nos solos das Gerais. Ali, com cara de bobo e de espanto, Raniel não deu um pio. Olhava para todos os lados. Conferiu janela, teto e corredor, prestou atenção nas orientações dos comissários e, bem, impossível saber o que ele estava sentindo ou pensando naquele momento. Impossível.

11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos

Os aviões trazem de volta os amores distantes, são confundidos com estrelas cadentes e são motivos para uma pessoa fingir medo e aproximar-se de outra. Os aviões, assim como os aeroportos e o desejo de voar, fazem parte, também, do dia a dia dos artistas que, vira e mexe, os utilizam como tema de suas canções. Não importa o estilo – seja rock, sertanejo, romântico, infantil ou brega –, eles fazem versos e rimas sobre esse “grande pássaro metálico” e até mesmo sobre a profissão de piloto. Confira no Blog Check In alguns exemplos bons (e ruins) da arte de entreter o povo contando histórias musicadas sobre temas relacionados à aviação. Tem música que virou clássico, tem música que virou pop e tem música, bem, tem música que dá vergonha do artista. Mas que é divertido, isso é! Que tal criar uma canção sobre o avião? Embarque nessa viagem musical.

Freddy Charlson

Samba de Avião

Tom Jobim

O maestro Tom Jobim, um dos principais artistas brasileiros, compôs, certa feita, uma verdadeira ode às belezas naturais do Rio de Janeiro: um Rio de sol, de céu e de mar. Samba do Avião (1962) é de um lirismo impressionante e tem a cara da Bossa Nova, com versos do tipo “Dentro de mais um minuto estaremos no Galeão / Este samba é só porque / Rio, eu gosto de você”. E Tom encerra a composição com os versos “Aperte o cinto, vamos chegar / Água brilhando, olha a pista chegando / E vamos nós, aterrar”. Sublime, oh! E a aviação nem sempre foi retratada com tanta beleza. E segue a lista…

 

Aviãozinho

Cheiro De Amor

Banda tradicional da axé music, a Cheiro de Amor tem como um de seus maiores sucessos a música Aviãozinho. É aquela música com um gostoso balanço – para os fãs do gênero – e que tem o forte refrão “Voa, voa aviãozinho, vai buscar o meu benzinho/Que tá lá, do lado de lá, que tá lá do lado de lá”, num criativo exemplar de poesia concreta. #Oremos. A letra é curta e o ritmo, pegajoso, com direito a repetição de palavras no final, o que caracteriza a figura linguística anáfora: “Deixa, deixa, deixa, deixa eu te dengar/Deixa, deixa, deixa, deixa eu te beijar/Deixa, deixa, deixa, deixa, eu te dengar/Deixa, deixa, deixa, deixa eu te beijar”. E o aviãozinho nessa história? Bem, ele tem o singelo dever de buscar o benzinho de quem canta. Fofo.

Medo de Avião

Belchior

Música mais conhecida do cantor bigodudo, narigudo e de voz anasalada Belchior (saudades, Belchior, por onde andará?), Medo de Avião mostra a felicidade de um rapaz em ter a coragem – motivada pelo “medo de voar” – de pegar na mão de uma moça. Uma coisa meio adolescente, com um quê de James Dean. E com citações aos Beatles, via I Wanna Hold Your Hand (Eu Queria Segurar Sua Mão). Um clássico em quatro estrofes, presente no disco homônimo Medo de Avião (1979) e com direito ao seguinte verso: “Foi por medo de avião/Que eu segurei/Pela primeira vez a tua mão/Não fico mais nervoso/Você já não grita/E a aeromoça, sexy/Fica mais bonita”. Que beleza!

Avião

Toquinho

Toquinho, parceiro de Vinícius de Moraes e famoso eternamente por Aquarela (“Numa folha qualquer eu desenho um sol amarelo/ E com cinco ou seis retas é fácil fazer um castelo”) fez outras músicas tão ou mais infantis. Uma delas é Avião. Com conceito rápido e fácil e cifra repleta de explicações lógicas, o compositor apresenta o meio de transporte avião, suas funções, características principais e coisa e tal. E faz um alerta aos pequeninos: “Venha voar comigo, amigo/ Sem medo, venha voar/ De dia tem o sol brilhando/ De noite quem brilha é o luar/ Venha voar comigo, amigo/ Sem medo, venha voar/ Em dia nublado não fique assustado/ Que eu tenho radar”. Bonitinho, né?

Aviões (Airplanes)

Rihanna e Eminem

Um pouco, digamos, menos fofa, é a canção Airplanes, com a muita doida Rihanna e o mais doido ainda Eminem. A cantora pop e o rapper cantam sobre a possibilidade de fazer desejos e questionam se podem “fingir que os aviões no céu à noite são como estrelas cadentes”. No fundo, eles querem “voltar a um lugar muito mais simples” se referindo a uma vida de festas e glamour. “O que você desejaria se tivesse uma chance? / Então, avião, avião, desculpe o atraso / Eu estou no meu caminho para não fechar a porta”, diz a canção pop, de sucesso mundial, com as vozes características desses dois astros.

Avião

Djavan

Em Avião, o cantor alagoano Djavan, autor de versos incompreensíveis, tipo “Açaí, guardiã / Zum de besouro, um imã / Branca é a tez da manhã” – entendeu? Se sim, mande a explicação para o blog –, cansou de “carregar nas costas”, como se fosse um avião, o relacionamento amoroso. Assim, ele canta “Seu muito pra mim é pouco / Eu quero a paz e viver solto / Vai dizer que sou outro… sou não! / Eu me cansei de ser seu avião / Não vou voar, não dessa vez!” e é capaz de dizer para a pessoa amada que ela pode quebrar, sofrer, cair, descer, contorcer de dor, que ele não se prenderá a ela. Djavan embarca em voo solo.

 

Aeroporto

Thaeme e Thiago

Em moda como há muito tempo não se via, a música sertaneja encontra em Thaeme e Thiago sua versão mais teen, mais moderninha. Queridinhos da galera, eles optam por uma levada romântico-brega ao falar sobre a despedida em um aeroporto. E até jogam praga para evitar a partida da “alma gêmea” na música, claro, Aeroporto. “É / Essa noite eu vou tentar me transformar em vento / Para impedir que esse avião saia daqui / Levando a minha vida/ É / Eu vivo em meio a multidões, mas me sinto tão só / E se você partir agora eu vou ficar pior”. Oh, que drama. Deixe a pessoa viajar, gente. Mas não, eles não deixam, e ainda fazem chantagem sentimental: “Eu tô chorando / No estacionamento do aeroporto / Eu tô chorando / Porque talvez hoje seja o nosso último encontro”. Bem que poderia ser mesmo…

Aeroporto

Belo

Marido da fisiculturista Gracyanne Barbosa, o pagodeiro Belo (batizado como Marcelo Pires Vieira) canta em Aeroporto o alívio ao ver a amada chegando após um voo, digamos, turbulento. “Graças a Deus você chegou, tão ansioso te esperei / Nesse aeroporto apavorado, amor, quase chorei / Quando vi alguém seu voo anunciando / Corri pra ver seu avião pousando / E só assim fui me acalmando”. Calma, pagodeiro, foi só um susto que vocês dois levaram e, enfim, após os tempos difíceis, agora é só felicidade. A dica é abraçar sua amada, dizer que a ama e não fazer mais besteira. Tá falado.

Paixão no Ar

Pique Novo

E, por falar em pagode, o Pique Novo vem com estilo velho. No melhor estilo “pagode paulista”, o grupo lamenta que a mulher amada (sempre ela!) vai viajar pra muito longe, percorrer o céu desse país, deixando o pagodeiro infeliz. Oh! E qual seria a solução? “Eu queria estar no voo que vai te levar / Pra longe do meu coração, pra perto de outro lugar / Lá em cima a nossa paixão, será que vai balançar / Mas como vou te alcançar? / Queria ir nesse avião / Contigo pra qualquer lugar e da janela acenar / Dando adeus pra solidão”. Menina, que tal levar essa galera só para ela parar de chorar?

Piloto de avião

Tony e Brian

Bagunça mesmo é o que fazem os sertanejos Antonio e Benedito, digo, Tony e Brian. Em um clipe que lembra Toxic (Britney Spears), eles cantam as delícias da profissão de piloto de avião. “Agora eu tô bonito, tô estudando aviação / Arrumei uma namorada que é um tremendo avião / Gastei todo o meu dinheiro, estourei o meu cartão / Mas foi com o brevê no peito que conquistei seu coração”. Segundo Tony (e Brian, também), eles já fizeram de tudo, foram padeiros e peões, mas as “muié” só passaram a olhar pra eles quando viraram pilotos de aviões. “Hoje estou bem sucedido, de empregado sou patrão / Pode ser um teco-teco, um jatinho ou o do Faustão / Pras mulher não interessa o tamanho do avião”. Ah, se fosse fácil assim, hein, pilotos…

Learning to Fly

Pink Floyd

Banda clássica do rock’n’roll, o Pink Floyd também viajou ao encarar o tema da aviação. Em Learning to Fly (lançada em 1987, como single), eles falam do “Gelo que está se formando nas pontas das asas” do protagonista e lamentam “Avisos não observados”. A música diz “Eu achava que pensava em tudo / Nenhum navegador para me guiar de volta para casa / Uma alma em tensão que está aprendendo a voar / Condição: preso ao solo, mas determinado a tentar”. O genial Pink Floyd sabia do que falava. Autor da letra, o vocalista e guitarrista David Gilmour era fã de aviação. E o baterista Nick Mason era aviador. Please, galera, leave the kids alone!

Bonus track

Learn To Fly

Foo Fighters

(Clipe do Foo Fighters)

E eis que Learn to Fly, da banda norte-americana Foo Fighters já era um estouro nas paradas de sucesso. De repente, ficou ainda mais bombada. Isso aconteceu quando mil músicos de Cesena, na Itália, se reuniram para tocá-la, numa ação que pediu a ida de Dave Grohl e companhia até a cidade. Massa, né? Um projeto emocionante. Bem, a canção diz, mais ou menos, assim: “Estou procurando no céu algo para me salvar / Procurando por um sinal de vida / Procurando por algo que possa me ajudar a acender o brilho / Farei meu próprio caminho pra casa quando aprender a voar”. Trata-se de um pedido de ajuda, um pedido de amor. O cantor pede para alguém voar por aí com ele, porque ele não consegue fazer isso sozinho. É… custa nada ajudar, hein?

Anjos da guarda

O trabalho deles é “dar uma geral” nos aviões e deixá-los 100% seguros para pousos e decolagens. Regulamentada pela Anac, a profissão de mecânico de manutenção aeronáutica é fundamental na segurança de voo

Joselito Sousa(*)

No saguão de embarque você observa atentamente pela vidraça aquela dança dos aviões no pátio, um balé organizado de carros, tratores, carretas de bagagens e pessoas com coletes refletivos. Sua aeronave vai encostar no portão em instantes. Há alguém segurando lanternas vermelhas e sinalizando com comandos para o avião que chega lentamente, como se fossem aqueles flanelinhas que o ajudam a estacionar o carro.

Você consegue ver a silhueta dos pilotos na cabine de comando, e ouve o barulho abafado pelos vidros antirruído dos motores desligando. Esse é o meio de transporte que vai te levar para rever a família distante. Você está ansioso.

Dizem que avião é tão seguro… Mas qual será o motivo? E, então, com curiosidade, você se aproxima ainda mais da vidraça e vê alguém conectando um fone de ouvido na lateral da fuselagem. Aparentemente, ele fala em um microfone. Isto chama a atenção. Você continua observando. Agora, aquela pessoa entra embaixo do trem de pouso dianteiro e coloca alguma coisa lá que tem uma fita vermelha abanando ao vento. Ah, você lembra que já viu desenhos dessas fitas vermelhas. Nelas está escrito “Remove Before Flight”, que você sabe com seu inglês básico que é para ser removida antes do voo. Muito bom.

31.08 FOTO - MATÉRIA DO BLOG - MECÂNICO 1

Todo o balé em volta não interessa mais, seus olhos agora focam naquele indivíduo. Ele é o mecânico de manutenção aeronáutica. E passa a andar em torno do avião, observando detalhes, como se fosse um comprador de carro numa concessionária, tentando achar riscos que desvalorizarão o seu carro. Você consegue ler, apesar da distância, que está escrito “Manutenção” na parte de trás do uniforme. Sim, este cara deve ser um mecânico, que para em alguns lugares olhando com mais atenção, observa muito bem os pneus e partes da asa. O que ele estaria olhando?

Você ainda não sabe, mas aquela pessoa lá embaixo é o seu anjo da guarda.

Não importa se é tarde da noite, se está chovendo, se está um calor escaldante, se está nevando… A cada voo que chega ele vai fazer a inspeção do avião, procurando nas partes expostas à intempérie algum sinal de colisão com pássaros, algum vazamento, algo que possa ter se soltado por vibração. Os pneus estão perfeitos após o pouso? A pressão está ok? Como está o nível de óleo dos motores e geradores? O abastecimento de combustível está correto? Foi reportado algum problema que precisa de solução antes da próxima decolagem?

Ilustração-materia-EDITADA

Diariamente, milhares de voos comerciais pousam e decolam pelo Brasil, e em todos eles haverá um mecânico fazendo inspeção antes do próximo voo e atestando ao final, com sua assinatura e sua carteira de habilitação da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que aquela aeronave não possui nenhum defeito conhecido que poderia tirar dela o carimbo de “aeronavegável” antes mesmo do seu embarque.

Um longo caminho de aprendizado técnico, de conhecimento de procedimentos, de legislação aeronáutica, foi percorrido até aquela assinatura. Ele sabe que faz parte da engrenagem que mantém a aviação segura, e mede a sua performance no número de defeitos que não ocorreram, nas decolagens que não foram abortadas, nos motores que não deixaram de funcionar, dia após dia.

Quando finalmente você estiver com seu assento reclinado olhando pela janelinha do avião aquele belo pôr do sol emoldurado por nuvens e o comandante fizer o anúncio das informações do voo, o microfone irá funcionar, assim como todo o complexo sistema que gerencia a máquina que se desloca a 900 km/h em temperaturas congelantes. Sim, a temperatura dentro da cabine está agradável, porque seu anjo da guarda trocou filtros, fez testes, substituiu componentes.

O seu anjo da guarda foi o primeiro a conectar o fone na chegada do avião, e ele vai ser o último a desconectar e tirar o pino de “Remove Before Flight” e dizer ao comandante:

“Tenha um bom voo senhor, até a próxima”.
Porque ele sabe que tudo está perfeito.

E, agora, você também sabe que há vários anjos da guarda cuidando da sua segurança.

31.08 FOTO - MATÉRIA DO BLOG - MECÂNICO 2

A profissão de Mecânico de Manutenção Aeronáutica é regulamentada pela Anac e possui um papel fundamental na segurança de voo. A profissão é composta por três categorias de especialização, sendo comum um mecânico possuir as três:

• GMP (Grupo motopropulsor) – que o habilita a trabalhar com todos os tipos de motores de aviação geral (convencional ou à reação), todos os sistemas de hélices e rotores, e com todos os sistemas dos grupos motopropulsores.

• CEL (Célula) – Esta habilitação permite o trabalho com todos os sistemas de pressurização, ar condicionado, pneumático, sistemas hidráulicos, entre outros, bem como trabalhar na estrutura de aviões e helicópteros em geral.

• AVI (Aviônicos) – garante conhecimento e domínio sobre todos os componentes elétricos e eletrônicos de uma aeronave, incluindo instrumentos de navegação e comunicação, sistemas elétricos e de radar.

O tempo de formação de um mecânico varia conforme o curso homologado escolhido, além do curso técnico obrigatório. Após a formação, é necessário prestar um exame na banca da Anac para obter o Certificado de Capacidade Técnica (CCT). Após experiência comprovada de três anos, o habilitado pode ser checado por um examinador da Anac e obter, se aprovado, o seu Certificado de Habilitação Técnica (CHT) e passar a assinar o livro de bordo de aviões atestando a sua aeronavegabilidade.

Sobre o Autor: Joselito Sousa, também conhecido como Lito, é supervisor de Manutenção de Aeronaves com 29 anos de experiência e editor do Blog Aviões e Músicas (www.avioesemusicas.com). Formado em Tecnologia em Manutenção de Aeronaves, busca divulgar a parte técnica da aviação para os leigos e entusiastas que queiram fazer parte desse maravilhoso mundo de conhecimento.