Aída, a primeira

Socialite norte-americana foi a primeira a pilotar uma aeronave mais pesada que o ar. O feito que ficou para a história ocorreu em 27 de junho de 1903, num dirigível de propriedade de… Santos Dumont!

Freddy Charlson

05.01.2016 - IMAGEM - BLOG - PERFIL - AIDA DE ACOSTA 1Com nome de ópera (Aída, do italiano Giuseppe Verdi), a socialite cubano-americana Aída de Acosta Root Breckinridge era uma entusiasta da aviação na época em que os aviões ainda engatinhavam, mal voavam. E ela tanto gostava desse negócio de voar que acabou entrando para a história como a primeira mulher piloto. Sim, Aída foi o primeiro ser do sexo feminino a pilotar um aparelho mais pesado que o ar e movido a motor. Não é pouca coisa, não.

Na verdade, não era pouca coisa, não. Era muita coisa. E o voo que deixou Aída na história foi realizado em Paris, terra onde, na época, o inventor brasileiro Alberto Santos Dumont era o cara. Não à toa, Aída aproveitou uma visitinha à capital da França com sua mamãe para realizar seu sonho. Conheceu Santos Dumont, aprendeu com ele a operar a aeronave – no caso, o Número 9 (o brasileiro gostava de numerar suas máquinas – e, pronto!, pediu para dirigir o dirigível (perdão pelo trocadilho).

05.01.2016 - IMAGEM - BLOG - PERFIL - AIDA DE ACOSTA E DUMONT 2

Ilustração: Santos Dumont e Aída de Acosta

O desejo começou a tomar forma quando Aída, no início de 1903, então com meros 19 aninhos, viu, certa feita, o brasileiro estacionando um dirigível enquanto jantava num restaurante próximo. Além da mãe, ela estava acompanhada de um grupo de amigos, em férias da universidade. Eles se hospedavam no bairro de Neuilly St. James e Aída pediu a um amigo para apresentá-la ao brasileiro. Feito. Ela passou a frequentar o hangar aonde Dumont trabalhava e logo virou a musa do lugar.

O brasileiro foi com a cara daquela jovem, deu-lhe três aulas de voos e decidiu que, como a cestinha do Número 9 era pequena, que Aída voaria sozinha. Já pensou? Pois é, eu também: que coisa, não? E foi isso o que aconteceu em 27 de junho de 1903. Aída subiu na máquina, voou a uma média de 25km/h – enquanto Santos Dumont a acompanhava, de bicicleta, gritando instruções do tipo “Aída, faça isso”, “Aída, faça aquilo”, “Aída, olhe pra frente”, imagino – sobre o Château de Bagatelle, ao norte do Bosque de Boulogne.

05.01.2016 - IMAGEM - BLOG - PERFIL - AIDA DE ACOSTA 3Voo feito, a intrépida moçoila aterrissou, após fazer o percurso de 1km, sobre um campo de polo, em que jogavam os escretes dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha (não, não sei o placar do jogo) e desceu do dirigível com a ajuda dos nobres atletas. De prontidão, um esbaforido Dumont perguntou o que ela havia achado do voo. “Muito bom, senhor Dumont”, respondeu aquela que, naquele momento, se transformava na primeira mulher a pilotar uma aeronave a motor. E foi o eminente brasileiro quem gritou: “Senhorita, você é a primeira mulher piloto do mundo!”.

E foi mesmo.

05.01.2016 - IMAGEM - BLOG - PERFIL - AIDA DE ACOSTA E DUMONT 1E isso seis meses antes do primeiro voo de seus compatriotas, os Irmãos Wright, em seu (deles) avião, em Kitty Hawk. E tem mais. Aída foi a única pessoa a pilotar uma máquina de Santos-Dumont. As más línguas até diziam, à época, que eles formavam um casal. Tsc, tsc. Dumont foi um solteiro convicto e mesmo que tenha colocado uma foto da moça em seu escritório, nunca confessou ter tido nada com ela. Aída fez pior. Quando o brasileiro morreu, em 1932, ela falou que mal o conhecia.Desprezo? Não.

A moça simplesmente foi proibida pelos pais de assumir, falar e até pensar sobre o voo que fizera em Paris. Sim, seus pais tinham medo que a moça não arranjasse marido simplesmente porque era tipo moderninha demais (para a época?). E até arrancaram de Santos Dumont a promessa de que ele jamais contaria a ninguém a identidade da primeira piloto aérea. O brasileiro cumpriu a promessa. Aída, também. Até certo ponto, porém.

05.01.2016 - IMAGEM - BLOG - PERFIL - AIDA DE ACOSTA NO DIRIGÍVELEla só veio a falar disso quando um amigo, o tenente da Marinha norte-americana George Calnan, contou-lhe que sonhava em pilotar dirigíveis. Ela disse que o entendia porque já o tinha feito.

E muito bem, por sinal.

Aída, aliás, fazia muitas outras coisas. Na década de 1910, criou um fundo para dar leite às crianças necessitadas. Durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), ela negociou bônus do Tesouro Liberty e arrecadou dois milhões de dólares para ajudar os Estados Unidos no conflito. Após a guerra, foi trabalhar no Comitê Americano de Ajuda à França, que foi arrasada durantes as batalhas. Por fim, em 1922, ao ter um glaucoma e perder a visão de um olho, Aída arrecadou três milhões de dólares e criou o primeiro banco de olhos dos Estados Unidos. Aí, um dia, em 26 de maio de 1962, aos 77 anos, a primeira piloto de uma aeronave mais pesada do que ar, enfim, descansou. Morreu em Nova York. Mas ficou, para sempre, na História.

05.01.2016 - IMAGEM - BLOG - PERFIL - AIDA DE ACOSTA 4

15 fatos curiosos da aviação

Que tal a gente falar um pouquinho das histórias que a aviação tem para contar? O Blog Check In conta 15 curiosidades desse ambiente amplo, divertido e que nos faz, literalmente, viajar. Embarque nessa viagem ao lado de azeitonas, caviar, água e winglets. Não sabe o que é um winglet? Ora, o blog também é cultura. Portas em automático!

Freddy Charlson

04.01.2016 - IMAGEM - MAT+ëRIA CURIOSIDADES DA AVIA+ç+âO - COMPANHIA KLM - A MAIS ANTIGA

1 – A holandesa KLM é a mais antiga companhia aérea do mundo. Ela foi fundada em 1919.

2 – A australiana Qantas é a segunda companhia aérea mais antiga do mundo. Ela foi fundada em 1920.

3 – Em 1987, a American Airlines economizou 40 mil dólares (cerca de 160 mil reais) apenas retirando uma azeitona de cada salada servida na primeira classe.

04.01.2016 - IMAGEM - MAT+ëRIA CURIOSIDADES DA AVIA+ç+âO - AZEITONA 2

4 – Uma aeronave decola a cada 37 segundos no Aeroporto Internacional de Chicago.

5 – A envergadura das asas do A380 é maior que a própria aeronave. Ela chega a 80 metros de comprimento, enquanto a medida do avião, da cabine à cauda, é de 72,7m.

6 – A Singapura Airlines gasta aproximadamente 700 milhões de dólares por ano (2,8 bilhões de reais) com alimentos. Somente na compra de vinho são 16 milhões de dólares (64 milhões de reais).

04.01.2016 - IMAGEM - MAT+ëRIA CURIOSIDADES DA AVIA+ç+âO - VINHO 1

7 – O ser humano pode perder até 1,5 litro de água numa viagem aérea com duração de três horas.

8 – O Aeroporto JFK, em Nova York (Estados Unidos) foi originalmente chamado de Idlewild Airport.

04.01.2016 - IMAGEM - MAT+ëRIA CURIOSIDADES DA AVIA+ç+âO - CAVIAR NA LUFTHANSA 29 – A companhia aérea alemã Lufthansa é a maior compradora de caviar do mundo, com uma média de 10 toneladas por ano.

10 – O check in pela internet foi utilizado pela primeira vez em 1999, pela companhia Alaska Airlines.

11 – A família de Boeings 747 já transportou mais de 5,6 bilhões de pessoas, o equivalente a 80% da população do planeta.

12 – A viagem mais longa do mundo é entre as cidades de Sydney (Austrália) e Dallas (Estados Unidos). O trajeto de 13.800 quilômetros é feito pela companhia aérea Qantas, em um avião A380 e dura cerca de 15 horas.

13 – A companhia aérea Qantas foi a responsável pela invenção da classe executiva, em 1979.

14 – A cada hora, cerca de 61 mil pessoas trafegam nos ares dos Estados Unidos

15 – Os winglets (peças que ficam nas extremidades das asas e que ajudam a diminuir o barulho e trepidação da aeronave) de um Airbus A330-200 têm altura maior do que qualquer atleta que já atuou na NBA, a liga norte-americana de basquete: 2,4m.

Fonte: Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata).

Grandes aviões, Grandes guerras

Já imaginou desenhar um avião de guerra, obedecendo fielmente aos detalhes de proporção, camuflagem, insígnias e armamento? E se o trabalho incluir, ainda, a busca por informações históricas, como o país fabricante e em qual guerra mundial ele foi utilizado? Uma empreitada para quem é mesmo apaixonado por aviação, não é mesmo? Agora imagine fazer isso com 340 aviões e transformar toda essa dedicação em um livro? Esse é o trabalho do Tomas Prieto no livro Aviões das Grandes Guerras- álbum ilustrado com mais de 340 aviões de combate da Primeira e da Segunda Guerra Mundial.

Ilustrador e diretor de arte que trabalhou por mais de 30 anos em agências de publicidade, Tomas nasceu em São Paulo, mas passou boa parte de sua infância e adolescência nas Ilhas Canárias (Espanha), onde viajar de avião se tornou uma atividade frequente. “São sete ilhas e para não enfrentar uma viagem de navio demorada e incômoda pois o mar é muito agitado, nada como ir de avião, tendo em vista que todas as ilhas possuem aeroporto desde os anos 40”, relembra.

E a primeira viagem, claro, é uma memória especial: “meu pai me levou para conhecer Las Palmas de Gran Canária. Partimos do aeroporto de Los Rodeos, em Tenerife, em um bimotor Douglas DC-3 da antiga companhia aérea Spantax para uma viagem de 35 minutos”, conta, empolgado. A partir daí, Tomas passou a voar duas vezes por ano para conhecer as outras ilhas que compõem o arquipélago e também rumo ao continente europeu.

Anos depois, já de volta ao Brasil, Tomas quis ser piloto, mas, como tantos outros aspirantes ao cargo, foi impedido pela elevada miopia. “Enveredei pelo desenho e pintura, onde me encontrei profissionalmente, mas nunca abandonei o gosto pela aviação, lendo livros e revistas sobre o tema, acompanhando inovações e desenhando”.

Confira agora os principais trechos da entrevista exclusiva do Check-in – o Blog da Aviação com esse grande artista.

Érica Abe

mock up miolo2(1)

Como você selecionou os 340 aviões que compõem o livro?
Meu critério foi pesquisar quantos dos países que participaram dos dois conflitos também foram construtores de aviões, o que possibilitou a construção de uma sequência histórica.

Depois da Primeira Guerra, com as divisões dos impérios do centro da Europa, foram criados diversos países e, em meados dos anos 20, muitos desses “novos” países passaram a ter indústrias locais, capazes de desenvolver e produzir caças e bombardeiros, como é o caso da Polônia e Tchecoslováquia, que produziam aviões tão bons quanto os britânicos, americanos, franceses, italianos e alemães.

Durante a pesquisa, surgiram outros países que durante a Segunda Guerra Mundial projetaram e produziram caças pouco conhecidos, como é o caso da Austrália com o CAC Boomerang; da Bélgica com o Renard R-31; da Romênia com os IAR 37 e IAR 80; da Finlândia com o VL Myrsky; da Hungria com o Weiss WM-21 Sólyom; e da Iugoslávia com seus Ikarus Ik-2 e Ik-3.

Procurei selecionar os caças interceptadores e de ataque ao solo, depois os bombardeiros leves, pesados e os de mergulho. E descartei aviões de treinamento e transporte, pois o número de 340 poderia dobrar e eu ainda estaria desenhando até hoje…

Com certeza a pesquisa para apurar cada modelo de aeronave demandou muito tempo. Quais foram as suas principais fontes?

Pesquisei em livros, nos sites do Imperial War Museum e American Air Museum  e em outras páginas especializadas para ter boas referências fotográficas.

mock up miolo3(1)

Uma análise mais aprofundada do livro permite perceber diversas mudanças entre os modelos ao longo do tempo. Naturalmente, a tecnologia teve grande influência nesse processo. Quais foram outros fatores que, na sua opinião, interferiram nessas alterações?
O avanço das novas tecnologias, o emprego de novos materiais, e as novas táticas de combate tiveram grande influência na construção de aviões de combate. Durante a Primeira Guerra, os aviões eram feitos de madeira, tela pintada e algumas chapas metálicas perto do motor. Com a invenção do sincronismo das metralhadoras disparando para frente através do giro das pás da hélice, a introdução do duralumínio na construção da estrutura e o desenvolvimento de motores mais potentes no final da Primeira Guerras o conceito da construção aeronáutica mudou radicalmente.

É possível definir uma característica principal as aeronaves de para cada país?
Durante a Primeira Guerra havia uma similaridade de projetos estruturais entre monoplanos, biplanos e triplanos usando motores radias em linha ou rotativos. Entre modelos da Segunda Guerra também havia uma similaridade ou quase cópia entre os diversos modelos, conforme a missão na qual fossem empregados. Por exemplo: a Força Aérea Italiana tinham uma tendência para usar motores a pistão em seus caças, assim como os caças britânicos. E os alemães também usavam o motor a pistão, como no caso do seu caça mais fabricado, o Messerschmitt ME 109 com mais de 33 mil unidades produzidas.

Já os caças japoneses, em sua grande maioria, usavam motores radiais, o que também era uma tendência entre os americanos. Mas, em princípio, o design das asas e potência de motores deram uma vantagem em performance aos caças Mitsubichi A6M Zeros japoneses contra americanos, que eram mais lentos e menos manobráveis. No entanto, depois de 1943, esse quadro começou a mudar com a introdução de caças como o F4F Wildcat, Grumman F6F Hellcat e F4 Corsair. A diferença estava nos motores mais potentes com compressores melhores que lhes permitia voar mais rápido e mais alto. A falta de compressores eficientes nos caças japoneses limitava a defesa do seu território contra os bombardeiros B-29, capazes de voar a grandes altitudes o que acarretou na destruição do parque industrial japonês.

mock up miolo3

O padre aviador

Criador da passarola – a primeira versão do balão de ar quente –, Bartolomeu Lourenço de Gusmão nasceu em Santos (SP), foi perseguido pela Inquisição portuguesa e morreu jovem, aos 38 anos

Freddy Charlson

Sabe essa galera que tira onda na Capadócia, região da Turquia, voando em balões coloridos sobre canyons incríveis? Ou que vislumbram o Oceano Pacífico do alto, em festivais de balonismo em Temecula, na Califórnia, United States? Ou que corre o risco de causar incêndios em matas e residências, em festivais clandestinos de balões? Ou tipo o finado padre Adelir de Carli (o “padre dos balões”, desaparecido e morto no litoral de Santa Catarina, em 20 de abril de 2008, em mais uma de suas peripécias)? Pois é, balonistas e baloeiros, vocês só fazem isso graças ao religioso brasileiro/português Bartolomeu Lourenço de Gusmão, batizado como Bartolomeu Lourenço Santos.

06.11.2015 - MATÉRIA - PADRE AVIADOR - BLOG CHECK IN - IMAGEM PADRE

Ok, Bartô (chamemo-lo assim) foi o primeiro a utilizar os balões para testes como meio de transporte. Por isso, ele, que começou a estudar o aparelho no longínquo 1708, aos 23 anos, ficou conhecido como “padre voador”. Na época, tratava-se do primeiro aeróstato operacional, chamado de “passarola”. No próximo dia 18 de novembro completa-se 291 anos de sua morte, ocorrida em 1724, em Toledo, na Espanha. Não por acaso, a cidade medieval é famosa, também, pelos passeios de balão…

INVENTO – Pois bem, o padre voador começou os estudos em São Vicente (SP), entrou para o seminário em Salvador (BA) e foi para Portugal, até voltar ao Brasil. Aqui ficou até 1708, quando retornou às terras lusitanas (muito embora, à época, o Brasil também fosse “terra lusitana”). Lá, apresentou o seu estranho invento, em agosto e outubro de 1709. Era tipo um balão de ar quente em formato de pássaro: a passarola, uma espécie de fábula da fauna brasileira. E foi a primeira vez que o homem fez um aparelho vencer a gravidade. E tudo isso 74 anos antes do primeiro voo de balão tripulado da história, protagonizado pelos irmãos franceses Joseph Michel e Jacques Étienne Montgolfier, em 4 de junho de 1783, na cidade de Annonay, e que atingiu 2 mil metros de altura.

06.11.2015 - MATÉRIA - PADRE AVIADOR - BLOG CHECK IN - IMAGEM DEMONSTRAÇÃO O povo ficou embasbacado. Pense. E não era para menos. Na primeira vez, o protótipo pegou fogo. Na segunda, subiu pouco, a uma altura de 4 metros, e foi derrubado por serviçais do Palácio Real, com medo que aquele “troço estranho” queimasse as cortinas. Na quarta vez, beleza, foi até o teto do palácio. Todos essas apresentações para a Corte portuguesa foram em agosto de 1709. Somente em outubro, na quinta tentativa, o balão voou, voou, subiu, subiu, pelos campos e pradarias de Lisboa, desde o Castelo de São Jorge até o Terreiro do Paço, em Lisboa, a uma distância de um quilômetro. E desceu na manha, sem pegar fogo.

06.11.2015 - MATÉRIA - PADRE AVIADOR - BLOG CHECK IN - IMAGEM DEMONSTRAÇÃO NO PÁTIO

FAMA – A história se espalhou pela Europa. O padre ficou famoso. O aeróstato, o balão de ar quente, o objeto voador, enfim, virou Passarola. E isso graças a um desenho que representava Bartô dentro do balão em formato de pássaro. Mitologia pura. Disseram até que, por esconder a fonte térmica, que possibilitaria o voo do objeto, o padre queria esconder o seu (dele) projeto. Quem dera…

Quem dera, aliás, Bartô pudesse se esconder naqueles tempos de algo muito pior que os paparazzi. No caso, a Santa Inquisição. Sim, encheram o saco do religioso. Alguns disseram que ele queria ser Deus por inventar um balão voador, outros que ele teria se convertido ao judaísmo. E outros por, sei lá, valia tudo na hora de perseguir alguém, até dizer que ele simpatizava com cristãos-novos.

E logo alguém que deu para inventar tanto, como a bomba elevatória de água e a drenagem de embarcações, além de um sistema de lentes para assar carne ao sol. Ou seja, além de tudo, Bartô, o quarto dos 12 filhos do cirurgião Francisco Lourenço Rodrigues e de Maria Álvares, curtia um bom e belo churrasco. E para finalizar este texto, o padre é uma das personagens centrais do livro Memorial do Convento, do escritor português José Saramago, ganhador do Nobel de Literatura. Na obra, o padre fica dividido entre a religião e a ciência, entre a vontade humana de voar e a vontade divina de fazer o homem como Deus fez. Como não gostar dele?

Do 14-Bis ao Quasar, dez aviões brasileiros com nomes bacanas

O Blog Check In homenageia a indústria aeronáutica brasileira, uma das maiores do mundo em número de criações e faturamento, criando uma lista com 10 aviões curiosos. Tem desde a criação de Alberto Santos Dumont até o moderno Legacy

Freddy Charlson

14-Bis, o pioneiro – Ah, o 14-Bis. Pois é, bem simples, a criação do inventor brasileiro Alberto Santos Dumont era tipo uma mistura de aeroplano com o balão 14 (o ferinha curtia numerar suas criações), usado pelo inventor em outros voos. Daí, o “bis”, sacaram? Foi com ele que, em 13 de setembro de 1906, o 14-Bis, sem balão, com mais potência e chamado de Oiseau de Proie, voou 8 metros. E isso num momento da história da humanidade em que era difícil definir o que seria um “voo de avião”, lembrem-se. A polêmica ganhava o mundo. Afinal, difícil acreditar que algo mais pesado do que o ar pudesse… voar. Pois é, voou.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 1 - 14BIS

Ah, é o meu Guri! – O AMT-600 Guri foi desenvolvido pela Aeromot, fabricante do Rio Grande do Sul, para treinamento e instrução primária de pilotagem. O pequenino tem dois lugares (lado a lado) na cabine e trem de pouso fixo e triciclo. Cabem 90 litros de combustível no tanque, o que dá para voar 4h30. O gurizinho mede 8,20m, tem envergadura de 10,50m. Ah, e a altura é de meros 2,51m. O aviãozinho, fabricado desde 1985, tem pouca potência – e é aconselhável usar bem os freios para controlar a corrida na decolagem. E, por fim, o Guri é uma opção frente aos helicópteros e ainda tem maior autonomia de voo.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 2 - GURI

Anequim, teu sorriso é um olhar de marfim – A brincadeira do título é uma alusão ao clássico Manequim, cantado pelo extinta boyband brasileira Dominó. Bem, voltando ao Anequim… trata-se de um avião que voa até 521,08 km/h. Ele foi desenvolvido Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), no caso o Centro de Estudos Aeronáuticos do Departamento de Engenharia Mecânica. Com nome inspirado numa espécie de tubarão veloz e agressiva, o avião de meia tonelada de peso bateu cinco recordes mundiais de velocidade, em sua categoria. Feito de fibra de carbono, o Anequim tem um motor de 4 cilindros e é incapaz de ferir alguém. Quando bem pilotado, claro.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 3 - ANEQUIM

Xingu, o avião índio – E eis que o bimotor monoplano de uso civil e militar – que chique! – Embraer EMB-121 Xingu foi o primeiro turboélice pressurizado brasileiro. O avião, produzido entre 1976 e 1987 – foram 106 unidades, tinha espaço para até 3 tripulantes e 9 passageiros. Tudo em um comprimento de 12,3m e peso de 5,6 toneladas. Com esses números, ele chegava a uma velocidade de 450 km/h e a uma altura de 8,5 km. A base do Xingu foi o projeto de asa do Bandeirante, um turboélice bimotor para transporte de passageiros. O avião foi o primeiro de uma linhagem de turboélices pressurizados para uso executivo, militar e transporte de passageiros. E até chegar ao EMB-120 Brasília, com 350 unidades circulando no planeta. Rolou até uma outra versão, mais silenciosa, chamada EMB-121A1 Xingu II, em 4 de setembro de 1981.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 4 - XINGU

Tucano, uma aeronave nariguda – O primeiro voo do Embraer EMB-312 Tucano, turbohélice de treinamento e ataque leve, fabricado pela Embraer, ocorreu em 1980, mas as primeiras unidades foram entregues somente em 1983. Os primeiros a voarem com ela foram os militares do treinamento avançado na Academia da Força Aérea Brasileira (FAB), em Pirassununga (SP). A FAB encomendou 133 unidades do avião. No total, a produção da aeronave que serviu ao Esquadrão de Demonstração Aérea da Força Aérea Brasileira, a Esquadrilha da Fumaça, de 1983 a 2013, ultrapassou 600 unidades. O Tucano atingia 448 km/h a uma altura de 9.144m. Bacana, né? E media 9,86m. Por fim, podia carregar até 3 toneladas.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 5 - TUCANO

Legacy, um avião duro na queda – O que você lembra ao ouvir a palavra Legacy? Pois é, à memória vem a lembrança de um acidente com um Boeing 737-800 da GOL que matou 154 pessoas, em 29 de setembro de 2006. A batida em pleno voo levou o então presidente Lula a decretar luto oficial de três dias, após o, até então, maior acidente da história da aviação brasileira. Bem, o primeiro voo do Legacy 600, produzido pela Embraer, ocorreu em 2001. O avião transporta até 15 passageiros e mede 26m. Seus principais concorrentes são o Global 5000 da Bombardier, o Falcon 2000 da Dassault e o G450 da Gulfstream. O Legacy 600 é um avião de luxo e custa cerca de 30 milhões de dólares.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 6 - LEGACY

Quero-Quero, um passarinho – Para começo de conversa, só cabe uma pessoa nos Quero-Quero KW1 que ainda voam por aí. O bichinho é um planador monoplace fabricado no Brasil entre 1975 e 1981. De origem gaúcha – foi criado por um engenheiro de Novo Hamburgo –, ele voou pela primeira vez em 18 de dezembro de 1969. Uma versão modificada foi feita pela IPE Aeronaves, para uso em instrução primária, ou seja, ele era tipo o primeiro planador monoplace à disposição dos alunos. Com comprimento de 6,47m e envergadura de 15m, o Quero-Quero, nome de passarinho curioso, tem como velocidade de melhor planeio, 76 km/h.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 7 - QUERO-QUERO

Paulistinha, paulistano – Com nomezinho simpatiquinho, o Paulistinha CAP-4, fabricado pela Companhia Aeronáutica Paulista, voou pela primeira vez em 1941. Ou seja, o bichinho tem 74 anos bem distribuídos em 6,76m de comprimento e 2,08m de altura, para meras duas pessoas. O monomotor de asa alta atingia a velocidade máxima de 220 km/h e foi um dos aviões treinadores de maior sucesso no Brasil. A FAB operou uma segunda versão do aparelho entre 1959 e 1967. O Paulistinha era feito de madeira revestida em tela e tinha fuselagem em tubos de aço, com direito a trem de pouso fixo convencional e acomodação para dois pilotos.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 8 - PAULISTINHA

Biguá, esse menino pantaneiro – Construído numa parceria envolvendo a empresa paranaense IPE Aeronaves e o Aeroclube de Novo Hamburgo, o KW2 Biguá é um planador experimental, biplace e com protótipo projetado pelo engenheiro Kuno Widmaier. Seu primeiro voo foi em 19 de dezembro de 1974. O antigo Departamento de Aviação Civil (DAC) adquiriu o projeto do Biguá com o objetivo de dotar os aeroclubes brasileiros com planadores de construção nacional. Não deu certo. O Biguá acabou perdendo a disputa para o modelo IPE Nhapecan, totalmente construído pela própria IPE. E acabou servindo para instrução primária em Novo Hamburgo. Só um protótipo foi construído. Que peninha!

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 9 - BIGUÁ

Quasar, um raio de luz – E chegamos a 2009, ano da entrada em serviço do Quasar Lite II, avião projetado e produzido pela Aeroálcool. A singela aeronave, com nome inspirado no objeto astronômico quasar (quasi-stellar radio source, ou fonte de rádio quase-estelar) foi criada para o lazer (o consumo é baixo), para o treinamento (é de fácil pilotagem) e para pequenas viagens (dá para voar até 1.500 km com um tanque). A tripulação é espartana, apenas dois pilotos, afinal o Quasar mede meros 5,50m, tem altura de 2,18m e peso de 240kg. A velocidade máxima é de 242 km/h, ou seja, infinitamente menor do que a de um quasar original. Fica a dica.

06.11.2015 - BLOG CHECK IN - MATÉRIA AVIÕES BRASILEIROS - FOTO 10 - QUASAR

Aviação também é um negócio bizarro!

Vez ou outra aparece uma notícia esquisita envolvendo aviões, tripulação, passageiro, malucos chamando a atenção, artistas se achando, voos com finais inusitados e até gente fazendo das tripas, coração, para entrar nesse mercado, que é cada vez mais atraente. O Blog Check-in coletou dez recentes histórias, digamos, um tanto diferentes, desse mundo que cresce a cada dia e que faz parte da realidade da maioria dos brasileiros. Sim, amigos, a aviação é bizarra, mas, também, é muito bacana. Embarque nessa viagem com a gente.

Freddy Charlson

Arte-blog

1 – Cantor veste muita roupa e passa mal em voo
Vamos ser sinceros? Pois é, ninguém curte muito essa história de pagar excesso de bagagem, não é? Tem gente, porém, que exagera. O cantor James McElvar, 19 anos, da banda escocesa Rewind, por exemplo, recusou-se a pagar o equivalente a R$ 220 por excesso de bagagem e preferiu vestir 12 camadas de roupa. O resultado? Passou mal no avião: exaustão pelo calor. Sorte do garoto que um paramédico estava no voo entre Londres e Glasgow e o socorreu. Ah, o voo era da companhia low cost EasyJet. E McElvar vestia quatro casacos, seis camisetas, duas bermudas, três calças jeans, uma jaqueta e dois chapéus. Espertão, hein?

2 – Ex-BBB cria joias para pagar curso de pilotagem
Considerada a participante mais antipática da última edição do Big Brother Brasil, a ex-aeromoça goiana Talita Araújo ficou boazinha e resolveu voar, voar, subir, subir. E, na luta para realizar o grande sonho de sua vida, ser piloto de avião, Talita ganhou a ajudar de uma designer que montou a coleção de joias “Decola Talita”. São colares, brincos e anéis que custam entre R$ 170 e R$ 1.200. O material é ouro, prata e ródio negro. Os fãs também fizeram uma vaquinha e já arrecadaram R$ 10 mil para o curso que, segundo a ex-BBB, dura um ano e é avaliado em R$ 85 mil.

3 – Uma soneca, um pipi e tudo bem!
Pense na seguinte situação: você está de boa, dormindo, curtindo um voo tranquilo quando, de repente, alguém faz xixi em você. Impossível? Nada disso. Foi exatamente o que ocorreu com os passageiros de um voo entre Anchorage (Alasca) e Portland (Oregon), nos Estados Unidos. Mucho loco, Jeff Rubin, 27 anos, começou, meia hora antes do pouso, a fazer pipi entre as fendas das poltronas, acertando os colegas de voo. Aí, num momento, ele escorregou e espalhou o xixi em geral. Que desagradável. O final da história? O camarada foi preso ainda no aeroporto, e acabou sendo acusado de crime ambiental e má-conduta.

4 – Raio não perdoa nem o avião em terra
Pergunte a qualquer pessoa se ela tem medo de raios e a resposta será quase sempre que “sim”. Muitos também têm medo do avião em que viajam ser atingido por um raio, mesmo que a maioria saiba que esse fenômeno da natureza ocorre, na maioria das vezes, em altitudes mais baixas. Dia desses, porém, um raio atingiu um avião da companhia aérea Delta, em solo, durante uma tempestade, no Aeroporto Internacional de Atlanta. E um passageiro flagrou o momento. O passageiro paparazzo, Jack Perkins, aguardava a hora de seu voo para Minneapolis e fotografou o raio com o celular. Mas, calma, meu povo, os aviões são revestidos de metal e funcionam como condutores da energia. Ou seja, o raio é tipo vontade, uma coisa que dá e passa.

5 – Pouso de emergência no meio da avenida
Lugar de avião pousar é na pista. Na pista do aeroporto ou aeródromo, que fique claro. Mas em New Jersey, nos Estados Unidos, um avião pequeno resolveu ser tipo diferente e fez um pouso de emergência bem no meio de uma estrada. E quase acertou os carros que trafegavam no local. O avião de que se fala era um monomotor e transportava cinco passageiros, entre eles alguns alunos de uma escola de paraquedismo. O motivo? Falta de energia da aeronave. A sorte? Ninguém se feriu gravemente. Mas foi um baita susto.

6 – Gordinho, vá pra casa, emagreça e depois pode voar
Essa é bem recente. E bem polêmica. A companhia aérea Air India vai impedir que 125 tripulantes considerados acima do peso voem. A empresa, que é estatal da Índia, defende-se das críticas dizendo que a medida é do órgão regulador da aviação civil do País, tipo a Anac deles. A motivação é que talvez os tripulantes não conseguissem agir rápido em situações de emergência. Para isso, fala a Air India, 600 tripulantes foram incentivados a entrar em forma em 2014, mas 125 não conseguiram. E é bom eles ficarem ligados: em 2009, a companhia, que parece ter tolerância zero com os gordinhos, mandou embora nove mulheres alegando questões de segurança por estarem acima do peso.

7 – “I see dead airplanes”
Tem cemitério de gente, tem cemitério de animais, tem cemitério de carros e… tchan!, tem cemitério de aviões. O de Victorville, no sul da Califórnia, por exemplo, tem um visual incrível. O depósito de aviões antigos atrai gente de todo o País para ver dezenas de aeronaves, lado a lado, no meio do deserto. O local, que não é uma atração turística oficial da região, foi uma base da Força Aérea norte-americana e virou nos anos 1990, o Southern California Logistics Airport, aeroporto logístico multifuncional. E uma dessas funções é abrigar antigas aeronaves comerciais que estão fora de uso. O aeroporto, também conhecido como cemitério, fica a 128 quilômetros de Los Angeles e não é aberto ao público. Mas sempre tem um jeitinho e a turma pode ver e fotografar os companheiros aviões de longe.

8 – Piloto tira soneca e avião despenca, mas não cai
Então, dia desses, em 8 de agosto passado, um Boeing 777 da companhia indiana Jet Airways, a segunda maior do País, despencou por 1,5 km, enquanto estava a 34 mil pés de altitude. Agora, creia, os 280 passageiros não ficaram desesperados. A explicação? Ninguém soube. A verdade é que o piloto tirou um cochilo, previsto pela Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) para evitar a fadiga (abraços, Jaiminho!) e o copiloto checava informações no iPad. Como eles foram salvos? A galera da torre de controle do aeroporto de Ancara (Turquia) deu o toque e o copiloto acordou o comandante. Tudo acabou bem para o povo que saía de Mumbai em direção a Bruxelas, na Bélgica. Tirando a investigação que a dupla tem que enfrentar agora… Justo.

9 – Vou ali tomar uma cervejinha… de avião!
Tem gente que gosta de tomar uma cervejinha, né? Aí, é só pegar o carro e ir ao bar, tranquilo, de boa na lagoa. Pois é, até aí, tudo bem. O bicho pega mesmo é quando a pessoa resolve ir ao bar… de avião. Foi o que aconteceu em Newman, cidadezinha da Austrália, com um homem de 37 anos. De repente, ele saiu de casa e “dirigiu” seu avião – um Beechcraft de dois lugares – sem asas e pá!, entrou no bar para tomar cerveja. A galera, ahahah, achou engraçado. A polícia – lamento, brother –, não. Considerou a atitude “estúpida” e convocou o homem para comparecer a uma audiência no tribunal local, no próximo dia 18 de novembro. Uma dica? Cara, não vá de avião.

10 – Um brinco do tamanho de avião…
Cheia de mimimi e burocracias, a Inglaterra, acredite, tem seus malucos. Um deles atende pelo nome de Johnny Strange – algo como Joãozinho Estranho – que, sabe-se lá o porquê, resolveu bater vários recordes para entrar no Guiness Book of Records. Um deles, o que interessa ao Blog Check-In, é o de puxar um avião com as próprias orelhas. Crazy people, o tal do Johnny, colocou umas correntes nos buracos perfurados das orelhas e arrastou um avião Cessna 172-P, por 20,4 metros. A máquina pesa exatos 677,8 kg e o feito ocorreu no aeródromo norte de Weald, em Essex. Não, as orelhas do estranho Johnny não foram rasgadas. E, sim, ele deve aparecer na edição 2016 do famoso livro de recordes.

15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”

Freddy Charlson

O avião, esse meio de transporte incrível, tem diversas formas de utilização. Uma delas é a atuação em conflitos bélicos, como na Segunda Guerra Mundial, que acabou há exatos 70 anos. Conflito, aliás, que marcou a criação do termo “kamikaze” (algo como “vento divino”). Kamikazes eram os pilotos que, em defesa da pátria e de suas famílias, se entregavam de corpo e alma na luta contra os Aliados (Estados Unidos, Grã-Bretanha, França e Rússia). A primeira atuação oficial dessa turma ocorreu às 10h47 do dia 25 de outubro de 1944, em pleno arquipélago das Filipinas. Foi o primeiro ataque kamikaze de verdade. Cinco aviões Mitsubishi A6M Zero atacaram o porta-aviões norte-americano USS St. Lo, na Ilha de Samar, sem medo de serem felizes. Na verdade, sem medo de morrerem – afinal, eles estavam ali pra isso. Meia hora de bombardeio causou a destruição do navio e o fim de 140 militares norte-americanos. Ok, os japoneses partiam feito loucos rumo à destruição, à glória e à morte. Se morressem, ok, de boa. Setenta anos depois, os pilotos kamikaze fizeram história, que a gente conta aqui, em 15 imagens, da guerra ao parque de diversões, passando pela música e os mangás. Música boa ou ruim, mas música, ora. Mangás incompreensíveis ou não, mas, ainda assim, mangás. Arigatô pela leitura.

1 – Ataques malucos nas Filipinas

11.09.2015 - FOTO 1 - ILHA DE SAMAR
Às 10h47 de 25 de outubro de 1944 ocorreu o primeiro ataque kamikaze. A esquadrilha de cinco Mitsubishi A6M Zero liderada por Yukio Seki, na Ilha de Samar (Filipinas), atingiu o porta-aviões USS St. Lo. O incêndio atingiu o paiol principal e matou 140 soldados. Começava ali o mito dos pilotos kamikaze, o de que fariam tudo, até morrer, para defender as próprias esposas. Nada de pátria ou imperador, que isso é historinha de mangá. E isso mesmo que eles fossem considerados pela religião xintoísta, “espíritos guardiães da pátria”.

2 – Três anos, antes, buuum, Pearl Harbor

11.09.2015 - FOTO 2 -PEARL HARBOR 1
Os ataques suicidas surgiram durante uma crise no Império Japonês. No ataque a Pearl Harbor – em 7 de dezembro de 1941, na ilha de Oahu, no Havaí, e que destruiu 21 navios e 347 aviões, além de matar 2.800 pessoas e ferir 1.200 – os japoneses utilizaram os Mitsubishi A6M Zero, caças que ameaçavam os norte-americanos. Em 1943, porém, a coisa mudou. Os EUA produziram os F6F Hellcat, com tecnologia superior aos caças japoneses. Na Batalha do Mar das Filipinas, por exemplo, em 19 e 20 de junho de 1944, o Império Japonês perdeu 600 aviões. Outros 500 foram perdidos na Batalha de Formosa entre 10 a 20 de outubro de 1944.

3 – A história até virou filme (cuidado, diabéticos!)
11.09.2015 - FOTO 3 -  PEARL HARBOR 2

E o filme tem mais açúcar do que sangue. Estrelado pelo cara de carranca Ben Affleck e pela belíssima Kate Beckinsale, a trama gira em torno dos soldados yankees que serviam na Base de Pearl Harbor, no Oceano Pacífico, com as enfermeiras do local. O casal vira um triângulo amoroso, mas os japoneses não querem nem saber. Chegam em Pearl Harbor tocando o terror, com direito a explosões, pirotecnia e muito fogo, obra do diretor Michael Bay. Bons pilotos, os americanos conseguem derrubar sete kamikazes. Pouco, perto da destruição que eles causaram. Adeus, Porto da Pérola, no Havaí.

4 – “Peçam ajuda aos universitários”
11.09.2015 - FOTO 4 - JOVENS PILOTOS

Poucos sabem, mas o grosso entre as fileiras kamikaze era formado por estudantes convocados em universidades. E o império de Hiroito avisava: “Jovens, a decisão de virar kamikaze é voluntária, vamos nessa?”. Bons de briga, os japoneses aguentavam verdadeira tortura durante o treinamento e passavam por uma espécie de “lavagem cerebral” em que aprendiam, na marra, que deveriam servir ao imperador, se sacrificar pela pátria e eliminar o inimigo. Mesmo que isso lhes custasse a própria vida. Ah, e até militares da Marinha e do Exército viraram kamikaze. Nesse caso, nada de voluntariado.

5 – É jovem? Então, morra pelo Japão!
11.09.2015 - FOTO 5 -CARTAZ

Pronto, ao virarem kamikazes, eles passavam a engrossar as fileiras da Unidade de Ataque Especial – em japonês, Tokubetsu Kōgekitai. Os mais íntimos podem chamar de Tokkōtai ou Tokkō. A turma da Marinha era a Unidade de Ataque Especial Vento Divino – tipo a Shinpu Tokubetsu Kõgekitai. O nome, simpático à primeira vista, lembra as tempestades que livraram a cara do Japão dos ataques mongois em junho de 1281, liderados pelo imperador Kublai Khan. E eram só os norte-americanos que chamavam os pilotos suicidas japoneses de “kamikaze”. Por fim, o Japão não reconhecia a existência de “prisioneiros de guerra”. Para eles, a captura pelo inimigo era mais temida que a própria morte.

6 – Vento divino e assassino
11.09.2015 - FOTO 6 -ÁLBUM DE HERÓIS

Segundo os relatos históricos, mais de 2.500 pilotos japoneses passaram desta para uma melhor nas guerras. Bons de mira, eles causaram a morte de cinco mil soldados aliados (a turma dos Estados Unidos, Inglaterra, França e Rússia), com mais de quatro mil feridos nessa conta. Em relação aos navios afundados, porém, há controvérsias. Bons de marketing, os japoneses disseram que afundaram 81 navios e meteram bala em mais 195. Os Estados Unidos disseram que só tiveram 34 barcos afundados pelos japas e que 368 foram atingidos. A história conta que 47 navios dos Estados Unidos foram afundados – 4.900 marinheiros morreram e 4.800 ficaram feridos.

7 – Hora de destruir porta-aviões, meninos!
11.09.2015 - FOTO 7 - VERGONHA

Os kamikazes não eram bobos, sabiam exatamente o que tinham que fazer. E mesmo os menos espertos recebiam duas lições. Número 1: destruir porta-aviões. Número 2: Nada de fechar os olhinhos apertados durante o mergulho do avião. Vai que erram o alvo e caem na água, tipo o antigo jogo Batalha Naval? E, tipo o preso condenado no dia da execução, eles ganhavam mimos antes do voo fatal, tipo um drinque de saquê. Também escreviam cartas de despedida para a família. Hoje, o governo japonês quer o reconhecimento das cartas pelo Fundo das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) no programa “Memória do mundo”. Querem mostrar a crueldade da guerra para o mundo e o que ela pode fazer, como as missões kamikaze. Prevenidos, os pilotos kamikaze ainda carregavam uma espada e um revólver. Vai que o voo não dava em nada? Aí, eles poderiam se matar, kamikazes que eram.

8 – Abortar missão, jovens!
11.09.2015 - FOTO 8 - VOLTA PRA CASA

Erram aqueles que pensam que os kamikazes não erravam os alvos. Os pilotos acertaram meros 11,6% dos 3,3 mil aviões atacados durante a Segunda Guerra. E 27,5% deles voltaram à base – ou o tempo estava ruim para um ataque ou não acharam os inimigos yankees ou o combustível estava acabando ou se arrependeram, sei lá. Coitados, era voltar e ser humilhado pelos chefes. A partir de julho de 1945 as ações diminuíram e os kamikazes ficaram de boa só esperando uma invasão dos EUA. Não rolou. E, crente que os japoneses só se renderiam com a morte, os norte-americanos mandaram ver. Primeiro, pá!, uma bomba atômica em Hiroshima. Três dias depois, pá, em Nagasaki. Muito triste. E em 15 de agosto de 1945, o imperador Hirohito jogou a toalha e o país se rendeu aos Aliados. Fim.

9 – A guerra acabou; os kamikaze, não
11.09.2015 - FOTO 9 -AVIÃO  MODELO

Então, com o fim da Segunda Guerra, o esquema de pilotos kamikaze chegou ao fim. E, com eles, seus aviões sem paraquedas, com as portas cerradas, sem trem de pouso e que detonaria a qualquer contato com o solo. Mas a lenda em torno desses audaciosos defensores da pátria e das próprias mulheres alçou outros voos. O termo Kamikaze passou a ser utilizado indiscriminadamente tanto na indústria pop (literatura, música e cinema), quanto na moda (tênis) e até em parques de diversões, com um brinquedo que até hoje desafia a coragem dos frequentadores. Ah, por fim, criaram um drink com esse nome. Não, não é de matar. É para relaxar. Confira, na sequência, o tanto que os kamikazes fizeram pelo mundo…

10 – O pisante também é de matar
11.09.2015 - FOTO 10 - TÊNIS REEBOK

Kamikaze também dá nome a um tênis bem concorrido e amado pelos jogadores de basquete e rappers. Produzido pela marca Reebok, o Kamikaze foi calçado pelo astro Shawn Kemp do antigo time do Seattle Supersonics, na temporada 1995-1996 da NBA, a meca do basquete mundial. Clássico, o tênis ganhou outra versão e voltou ao mercado em 2013, em tom marinho, feito à base de couro nobuck e com amortecimento Hexalite. O preço? Cem doletas na gringa, algo como 400 reais em lojas brasileiras. Nada mal para quem encarou, nas quadras, astros do naipe de Michael Jordan, Larry Bird e Magic Johnson.

11 – Kamikaze é de comer ou de beber?
11.09.2015 - FOTO 11 - DRINK

É, por incrível que pareça, o kamikaze é de beber. O drink, ainda não muito conhecido, é fácil de fazer e inspirado nos pilotos japoneses da Segunda Guerra (num me diga!). O drink leva 30 ml de Vodka, 30 ml de Cointreau , 30 ml de suco de limão e gelo. Aí, pronto, você faz uma cara blasé, de barman e manda ver. Coloque o gelo no copo, depois jogue os ingredientes na coqueteleira. Mexa, remexa e, pronto!, jogue no copo com o gelo. E adicione uma fatia de limão pra ficar mais bonitinho. Aí, é só tomar.

12 – Até o paraibano Zé Ramalho foi kamikaze
11.09.2015 - FOTO 12 - ZÉ RAMALHO

E o cantor paraibano Zé Ramalho também rendeu-se ao termo, ao compor a música “Kamikaze”. Ela faz parte do álbum “Terceira Lâmina” (1981), terceiro disco da carreira do cantor e que contou com participação de sua prima, Elba Ramalho. E cuja letra diz assim: “Eu nunca que me dediquei/Muito na arte política/Eu nunca pude ser playboy/Nem sequer me adiantar/O tempo em que eu me separei/Numa razão tão mística/Um cavaleiro, nunca um cowboy/Um verdadeiro kamikaze/Um avião destruidor de lares/Um passeio pelos ares/Um megaton de poucas esperanças/Bombas e lembranças/E quando eu de lá voltar/Não sei se poderei ficar/Ali onde beijei você/Deixando tudo pra viver. A canção cita os termos avião, ares, megaton, bombas e viver. Bem a propósito, numa história de dor e amor.

13 – Thiagão e os Kamikaze do Gueto
11.09.2015 - FOTO 13 - KAMIKAZES DO GUETO

Pois é, Thiagão e os Kamikazes do Gueto é o nome de uma banda que também ousou macular a memória dos pilotos kamikaze. Ela surgiu em Paiçandu, no Paraná, em 2006, Thiago Dodô e Adriano. Eles cantam rap e até agradaram os manos e as minas do estado, com músicas como “Finado tem Mãe” e “Só Monstro”. Ah, porquê o kamikaze no nome? Diz aí, Thiagão: “Fomos kamikazes ao nos arriscar e falar de algumas coisas polêmicas. Até sofremos algumas ameaças”, diz o cantor de gangsta rap, um estilo que mostra a realidade das quebradas.

14 – Terror no parque de diversões
11.09.2015 - FOTO 14 - BRINQUEDO KAMIKAZE

Sim, terror no parque de diversões. A maioria dos pequenos parques espalhados Brasil afora tem um brinquedo chamado Kamikaze. Ele consiste de duas torres, com bancos individuais e funciona como um pêndulo enquanto acelera numa volta de 360°. Uma torre (como se fosse um barco) gira para um lado. A outra torre, para o outro, ao mesmo tempo. Ele sobe e desce e o momento de tensão é quando as torres param juntas, no alto, com os clientes de cabeça para baixo. Ou seja, pague para entrar, reze para sair.

15 – Um mangá nada fofinho, para encerrar
11.09.2015 - FOTO 15 -MANGÁ

Por fim, claro, criaram um mangá (história em quadrinhos de origem japonesa, que lê-se de trás para frente) chamado Kamikaze. Escrito e desenhado por Satoshi Shiki, o mangá saiu na revista Afternoon (Editora Kodansha), entre 1998 e 2003. Nos Estados Unidos, a tradução dos sete volumes do mangá foi lançada pela editora Tokyopop entre 2006 e 2008. A história é tipo assim: há mil anos, 88 bestas surgiram na Terra, atacando a humanidade. Cinco guerreiros elementais confrontaram as bestas. Elas foram presas e amaldiçoaram os guerreiros do Céu, Vento e Fogo. Aí, seus descendentes poderão libertar as bestas para destruir a humanidade. Tirem as crianças da sala.